• Michael Alves (The Sage)

Ética nos jogos e no Desenvolvimento de Jogos: Direitos Humanos



Como em qualquer trabalho profissional, o desenvolvimento de jogos também traz suas próprias questões éticas e morais, e nós, jogadores, designers de games, desenvolvedores e todos os envolvidos nesta comunidade, sempre devemos questionar e procurar maneiras de melhorar a maneira como encaramos os jogos e o desenvolvimento de jogos.


Ao longo dos anos, a relação dos jogos com a ética avançou muitos passos à frente, mas também teve alguns contratempos e problemas ao longo de seu caminho. Não farei uma revisão histórica completa aqui, pois agora uma questão mais urgente exige nossa atenção do que o histórico da ética nos jogos: A importância e o status especial dos Direitos Humanos. [i]


Os eventos recentes com a Blizzard Entertainment punindo um jogador profissional de sua Liga de Hearthstone causaram um grande alvoroço [ii], com muitos jogadores, agências de notícias e até figuras políticas atacando a Blizzard por sua posição, que foi vista como “se aliando à China” contra a liberdade de expressão.


Muitas pessoas argumentaram que a punição era injusta e que a Blizzard agiu com muita rapidez e força apenas para apaziguar o governo chinês e evitar perdas em seus ganhos com aquele mercado, mas algumas dessas alegações costumam esquecer que 88% dos ganhos da Blizzard vem de fora da Ásia, com a China e todos os outros países da Ásia representando apenas 12% de seus ganhos. [III]


Eles também ignoraram a política usual da Blizzard sobre como eles lidam com os jogadores profissionais em seus eventos, pois costumam ser draconianos em como dão punições. [IV] A Blizzard chega a punir os jogadores por coisas feitas em mídias sociais e streams dos próprios jogadores, no caso de jogadores da Liga de Overwatch.


Isso nos mostra que a Blizzard não estava agindo de forma diferente contra Blitzchung do que sempre fez no passado.

 

Se esse é o melhor formar de agir ou não, isso está aberto para ao debate, mas essa sempre foi a maneira da Blizzard de fazer com que suas ligas profissionais tenham um alto nível de qualidade e profissionalismo, pois todos os envolvidos sabem que devem mantê-la limpa e profissional ou consequências são terríveis.

Em uma sociedade que ainda maltrata os jogos e menospreza a importância dos torneios, a Blizzard está fazendo o que acha certo para mostrar que sua liga é um negócio sério e focado em bom entretenimento e diversão. (Alguns vão concordar inteiramente, outros discordar parcial ou completamente. Eu mesmo acredito que entrar na privacidade dos jogadores e controlar suas vozes e ações fora das plataformas da Blizzard é ir longe demais, mas posso entender por que a Blizzard faz isso desta forma.)


Agora você deve estar pensando: "Esse artigo é uma defesa da posição da Blizzard?!"

Resposta: Não!


A Blizzard tem o direito de manter seus eventos livres de discussões que não são pertinentes a seus jogos, e sua postura na punição à Blitzchung foi dizer que eles queriam manter suas ligas profissionais livres de discussões políticas. Eles têm o direito de fazer isso. Mas o problema é que, no mundo da justiça e da ética, as coisas raramente são binárias.


A Blizzard pode e de fato deve punir os jogadores por usar uma plataforma da Blizzard para fazer propaganda de políticos ou promover uma ideologia política.


Quando estamos assistindo a Liga Overwatch, queremos ver as jogadas, e queremos ouvir jogadores profissionais falarem sobre o "meta", suas opiniões sobre o jogo, suas táticas e emoções sobre ganhar ou perder, e não sobre se uma determinada lei deve passar ou não, ou se o país deve seguir um determinado caminho econômico ou não.


Alguns jogadores mais politizados podem querer ouvir o que estes jogadores profissionais tem a dizer sobre assuntos políticos? Claro. E é por isso que acredito que os jogadores devem ter sua liberdade respeitada em suas próprias mídias sociais e vida privada.


Mas para a maioria dos observadores destes torneios, eles estão lá para ver o jogo.


E esse foi exatamente o argumento da Blizzard em sua defesa sobre a punição do Blitzchung, e agora sobre a punição dada aos jogadores da equipe de esports da American University, e eles estão certos nessa lógica, até certo ponto.


O que eles não conseguiram ver é que os DIREITOS HUMANOS são um subconjunto de discussões políticas com importância, significado e status privilegiados.

Uma coisa é promover uma figura política em uma plataforma que não é sua, a outra é denunciar ofensas aos direitos humanos nela.


Essa é a linha que torna tudo o que a Blizzard fez, neste caso, incorreto, e que levou políticos de diferentes países a enviar cartas ao CEO da Blizzard Entertainment para pedir que eles revissem sua posição.


A Blizzard ouviu os protestos da comunidade e reduziu a punição de Blitzchung para 6 meses, além de removerem a perda da premiação. No entanto, eles ainda estão errados e, ao banir os jogadores da equipe de e-sports da Universidade Americana, eles mostram que não entenderam o que fizeram de errado.


E aqui está o tópico principal deste artigo, qual é a nossa responsabilidade como jogadores, designers e desenvolvedores nos casos de ética? Muito pode ser discutido sobre isso, mas estou aqui para tentar finalmente deixar uma coisa clara, para que possamos, no futuro, começar a ter discussões reais sobre ética: precisamos criar uma posição clara sobre a importância dos direitos humanos.


Quando a Blizzard permitiu manifestações pela comunidade LGBTQ+, eles fizeram a coisa certa. Essas foram declarações políticas.


Eles fizeram isso mesmo com as repercussões ruins que isso poderia ter em países como a China.

É por isso que as pessoas estão chamando a Blizzard de hipócrita quando eles dizem que querem manter a política fora de seus torneios. Coisas como esta são políticas, da mesma maneira, que os protestos de Hong Kong são questões políticas. Ambos diferem da defesa de uma ideologia política ou de um candidato político no sentido de que tanto questões LGBTQ+ quanto protestos pela democracia em Hong Kong se baseiam na luta pelos direitos humanos e, portanto, merecem tratamento especial.


Devemos manter os torneios de jogos livres da política, mas não dos protestos LGBTQ +, protestos feministas ou protestos contra violência, opressão e outras violações dos direitos humanos, porque esse tipo de discussão política tem um status especial que precisa ser colocado acima todo o resto.

Já é necessário muita força para se posicionar contra violações dos direitos humanos, o medo de retaliação está frequentemente presente e, como sociedade, precisamos garantir às pessoas que, se elas vierem e denunciarem as coisas, nós as protegeremos. Eles precisam saber que, se encontrarem uma maneira de falar com um grande público, que nós ouviremos, investigaremos, tomaremos medidas e os protegeremos por sua coragem de falar.

Algumas pessoas não gostam que coisas LGBTQ+ aconteçam na Liga Overwatch, mas não devemos nos importar que elas não gostem, ou que seja um tópico divisivo para algumas. Precisamos dar a essas pessoas oprimidas todas as oportunidades que elas podem aproveitar para lutar por uma causa que é humanitária, para que lutem por sua própria sobrevivência e sua própria liberdade, para que possam ser o que são. E o mesmo vale para este caso em Hong Kong. Algumas pessoas podem discordar dos pedidos de separação, mas não podemos negar às pessoas o direito de falar sobre isso.


Vamos pensar sobre isso de outra perspectiva. Imagine-se sendo uma pessoa em algum lugar em que você sente que está acontecendo uma opressão governamental e uma violação dos direitos humanos. Você, por causa do seu trabalho, tem a oportunidade de falar para um grande público, mas as regras dizem que você não pode falar sobre política lá. Qual é a coisa ética a fazer?


Você pode se recusar a falar sobre a opressão por medo de ser atacado, e tudo bem, todo mundo tem o direito de primeiro tentar preservar sua própria vida. Ou você pode se arriscar e denunciar essas violações.


Na verdade, muitas pessoas se sentiriam socialmente pressionadas por seus pares a denunciar. Eles poderiam ser vistos como covardes por não fazê-lo e como heróis se fizerem. Com tanta pressão social sobre o indivíduo, como podemos puni-lo quando ele vai denunciar alguma coisa?


Alguns podem dizer que, neste caso, o indivíduo "Blitzchung" não estava em risco, que ele está seguro e que não sofre nenhuma pressão como essa ou uma versão muito reduzida dessa pressão. Mas quando falamos de regras e regulamentos sobre como lidaremos com os direitos humanos, precisamos definir um padrão claro em que as pessoas se sintam seguras. Não podemos punir alguns, porque eles não foram "suficientemente oprimidos" aos nossos olhos e, se um caso muito ruim aparecer, aí então não puniremos.

 

Pense se for um jogador em um país muito pobre, denunciando crimes de guerra, que afetaram pessoalmente sua família e ainda ameaçam suas vidas. Você se atreveria a punir esse indivíduo com um banimento? Tenho certeza que não. Mas, para que essa pessoa se sinta segura para fazer sua declaração, precisamos esclarecer que, em todos os casos, estaremos do lado dos direitos humanos.


Não conheço a situação real do jogador Blitzchung e não posso dizer o quão difícil ou fácil foi para ele fazer sua declaração e quão comprometido com ela ele é. E não posso oferecer uma perspectiva clara e baseada em provas de sua situação em Hong Kong. Mas nunca devemos punir alguém por lutar pelos direitos humanos.


É um dever moral e ético denunciar violações dos direitos humanos, e nunca devemos tomar linhas de ação que reduzam a vontade das pessoas em fazê-lo.


Nós, jogadores, designers de jogos e produtores de jogos, devemos pelo menos concordar com esses princípios fundamentais como base para discutir como a ética, a política e a moral afetam os jogos e nossa experiência ao jogar.


Quando algumas pessoas descartam as discussões e a importância da diversidade, representatividade, feminismo, inclusão e muitos outros tópicos que são muito importantes na discussão sobre jogos nos dias atuais, precisamos observar que a base de todas essas discussões são os direitos humanos, e é por isso que devemos discutir isso ao falar sobre jogos.


Podemos concordar ou discordar sobre certos aspectos de cada discussão específica, mas nunca devemos menosprezar as perguntas em si ou silenciá-las. Às vezes, podemos enfrentar valores contestantes, pois muitas vezes a liberdade pode colidir com segurança, reputação ou honra, ou outros princípios podem colidir entre si, e então precisaremos discuti-los, procurando melhores soluções e uma abordagem mais ética para a produção de jogos.


É importante notar que não devemos impor a presença de políticas e valores específicos nos jogos. Elas podem estar presentes em alguns e faltar em outros, como acontece com qualquer livro ou obra de arte. Às vezes, um jogo é sobre uma emoção, outras, sobre puro entretenimento, e outros, é um mergulho profundo na moral e na ética da sociedade.


Este artigo não está aqui para dizer que os jogos que fazemos devem incluir mais sobre direitos humanos ou menos sobre eles. Mas para dizer que o processo de projetar, produzir, comercializar e jogar jogos deve se preocupar com a ética e os direitos humanos.

Um jogo pode discutir ética ou não, e não pode ser julgado como bom ou ruim apenas por causa disso. Mas todos os jogos feitos devem ser criados e comercializados respeitando os valores éticos e os direitos humanos.

Witcher 3: Um exemplo de desenvolvimento bem realizado e ético. (Na opinião pessoal do The Gamer Sage)

Precisamos deixar claro que produzir um jogo eticamente não significa criar um jogo que trate de direitos e questões sociais, mas realizar o processo de produção e comercialização eticamente. Isso começa com o tratamento ético de seus funcionários, colegas de trabalho e parceiros, além de ser respeitoso e verdadeiro com seus consumidores.


Um bom exemplo de uma postura antiética na produção de jogos é a criação de personagens inclusivos, procurando apenas as vantagens de marketing e sem abordar adequadamente as questões dos grupos representados de maneiras significativas e respeitosas.


Fazer um jogo com personagens inclusivos não é o equivalente à “maneira ética de produzir jogos”. Você pode ter jogos com personagens inclusivos, que são uma emaranhado de escolhas e estratégias antiéticas de produção e marketing, e jogos sem inclusividade que foram cuidadosamente criados, respeitando a equipe, os parceiros, os consumidores e o público em geral. Não devemos restringir o que podemos fazer em jogos, assim como não devemos restringir o que podemos escrever em livros, mas certamente devemos ser responsabilizado por nossa ética e valores ao desenvolver e distribuir jogos.


A Blizzard frequentemente nos dava jogos muito bem desenvolvidos, feitos com uma postura ética elevada, por uma equipe de pessoas muito talentosas, com grande diversidade, inclusão e profundo respeito à sua comunidade.


O que eles precisam aprender é que os direitos humanos são um subconjunto das questões políticas que têm um status especial e, por isso, são valores que devem receber tratamento especial.


As notícias recentes sobre o banimento de jogadores de uma equipe de Collage Hearthstone[v], além da exclusão forçada de uma postagem pessoal no Twitter de um treinador da equipe de Dallas Fuel Overwatch[vi], nos mostram que eles não entendem isso leve e ainda confundem os protestos de Hong Kong com simples propaganda política, não tomando-a como uma questão de direitos humanos. Enquanto Wizards of the Coast teve algo parecido com o jogador Lee Shi Tian, ​​no Magic Mythic Championship V, e até o momento não o censurou. [vii]


Eles precisam revisar sua posição, remover a punição de Blitzchung assim como a punição de todos os envolvidos neste caso, e reconhecer que não estavam vendo a situação como uma questão de direito humano, deixando claro que, no futuro, levarão em conta a importância especial das questões que envolvem direitos humanos, quando pensarem em suas posições frente a declarações políticas feitas por jogadores, e até mesmo funcionários, em seus canais oficiais de mídia.


Eles não precisam mudar sua maneira dura de lidar com punições ou suas políticas e diretrizes gerais. Eles só precisam entender que há uma diferença quando estamos falando de políticas gerais e ideologia, e quando estamos falando de direitos humanos.


Espero que possamos usar esse incidente para aprender sobre a importância da discussão sobre ética e direitos humanos nos jogos e na produção de jogos, e possamos mostrar à algumas pessoas que são contra a inclusão, e outras discussões políticas nos jogos, o quão importante essas discussões são, apontando este exemplo como uma questão de direitos humanos e política em jogos, onde pessoas de lados opostos do espectro político concordavam que a ação da empresa era eticamente reprovável.


À medida que avançamos nesta discussão, espero que, no futuro, possamos criar uma base de valores fundamentais e regras éticas bem aceitas que possamos usar para discutir mais sobre jogos e design de jogos. Acredito que os direitos humanos são um ponto de partida muito importante para isso, pois inclui o respeito pelas minorias e o respeito pela liberdade de opinião, expressão e diversidade.


Eu espero que a Blizzard reencontre seu caminho, pois soi um grande fã deles.


Nota adicional:

O Gamer Sage não falou sobre essa questão em forma de artigo antes por respeito às pessoas envolvidas e pela importância de sua luta, pois este artigo é muito mais sobre jogos e ética nos jogos do que sobre sua luta social, e eu senti que não seria apropriado fazê-lo naquele momento.


À medida que as coisas se acalmavam um pouco, e a Blizzard continuava emitindo proibições e agindo de maneiras que considero incorretas, senti que era hora de publicar este material.


Espero não ofender ninguém e abrir discussões livres e legítimas.

Hong Kong Free Press: https://www.hongkongfp.com/ Hong Kong Protests Wiki Article: https://en.wikipedia.org/wiki/2019_Hong_Kong_protests USA Hong Kong Human Rights and Democracy Act:

https://en.wikipedia.org/wiki/Hong_Kong_Human_Rights_and_Democracy_Act

Referencias:

[i] Declaration of Human Rights: https://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/


[ii] Blitzchung first punishment: https://news.blizzard.com/en-us/hearthstone/23179289/hearthstone-grandmasters-asia-pacific-ruling


[iii] Activision Blizzard financial report: https://investor.activision.com/news-releases/news-release-details/activision-blizzard-announces-second-quarter-2019-financial


[iv] Articles and sources of information on Blizzard punishments on pro-players of their tournaments: https://www.theverge.com/2018/3/9/17102224/overwatch-league-player-punishment-toxic-behavior, https://www.espn.com/esports/story/_/page/overwatchpunishments/seven-overwatch-league-players-hit-punishments-ahead-season-2, https://www.reddit.com/r/Competitiveoverwatch/comments/83py9k/current_list_of_owl_infractions_punishments/, and https://www.invenglobal.com/articles/4526/the-overwatch-league-is-fighting-a-losing-battle-against-xqc


[v] Article about ban of players of College Team: https://www.ign.com/articles/blizzard-bans-college-hearthstone-team-who-supported-hong-kong-for-six-months [vi] Article about forced removal of Twitter post made by the coach of Dallas Fuel Team: https://www.businessinsider.in/politics/news/a-coach-in-blizzards-overwatch-league-was-told-to-delete-a-tweet-condemning-the-company-for-censoring-an-esports-competitor-from-hong-kong/articleshow/71529559.cms


[vii] Article on Lee Shi Tian’s protest at WoTC Magic tournament: https://dotesports.com/mtg/news/wotc-wont-censor-lee-shi-tians-support-for-hong-kong-protests-at-mythic-championship-v

anuncie-aqui-gamersage.png

© 2019 by Michael Alves and my buddies from Arcano Games.

Social Midias:

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Ícone